Manifesto poético: Quem não grita quer tarifa!


Nosso transporte público

É igual um carro de boi

E dentro dele

Tem boi de todo o tipo

Aquele que vai sentado

Aquele que vai em pé

Pendurado!

Atrasado!

Chateado!

Maltratado!

Preocupado,

com o atraso do salário

O preço do pão

Do Leite

Do Feijão

Do Ipod

Vê se pode!

E tem boi que pede assim:

Desculpe incomodar!

Mas alguém pode me ajudar?

Balinha um real

Não é um coletivo?

Obrigado “motô”

Ué, mas cadê o cobrador?!

Passagem por favor?

Passagem

É um assalto!

Passagem por favor?

Passagem

É um assalto!

3,00 – 3,30 – 3,60

É um assalto!

Mãos para o alto

Você está sendo lesado

Mãos para o alto

É um assalto!

Mas e aí?

Vamos pra rua gritar? Reivindicar?

Ou vamos se calar? Se conformar?

Quem não grita quer tarifa!!!