Poesia: um instrumento de luta social e construção de identidade


Praia Grande litoral sul de São Paulo, no bairro periférico Vila Sonia, por ruas de terra e entre vielas cresceu Elton Alexandre Pereira dos Santos conhecido como NP (Nego Panda), filho de dona Alzira, aprendeu desde pequeno que ali a sobrevivência era árdua, e que só os guerreiros e as guerreiras podem suportar tanto descaso social.

E que para se manter em pé firme e forte na luta, era preciso fazer do que lhe faltava uma boa arma para lutar numa sociedade de exclusão.

Influenciado pela mãe e poetiza Alzira, Elton entrou em contato com o mundo das palavras ainda pequeno, porém, logo percebeu que poderia utilizá-las como matéria prima para produzir seus textos, expressando suas opiniões em relação ao mundo e também sobre suas perspectivas e vivências.

Aos 12 anos começou escrevendo roteiros para estórias em quadrinhos, que junto com alguns amigos produziam artesanalmente. Com 15 anos começou a se envolver com a cultura Hip Hop, onde se identificou de cara, e logo montou um grupo de rap chamado Ruídos Negros, com quatro participações em coletânea e um disco solo intitulados “A escolha é sua”.

Hoje, NP continua na luta, membro da Casa dos Poetas de Praia Grande é Idealizador do Projeto Sarau das Ostras 1°sarau periférico da região, e também integrante do grupo Os Pícaros que fundem música, poesia e teatro, desafiando os limites dessas linguagens com intuito de produzir ideias.

E com tanto talento e energia NP acaba de lançar seu livro Poesias de um mundo louco que segundo ele: “É um livro sobre o cotidiano das periferias, com suas alegrias e dores: descaso social, drogas, criminalidade. Tudo retratado sob a óptica da poesia. São poemas que se enquadram na literatura marginal ou de periferia, com estilo mais solto”.

Ao indagarmos NP sobre se a arte de alguma forma o salvou de um futuro incerto, devido ter crescido num local onde o Estado pouco se faz presente em espaços de lazer, acesso a cultura, educação, segurança… Em linhas gerais, sem condições necessárias para um ser humano se desenvolver com dignidade.

Preciso e direto responde: “Acho que a solução para a violência e os problemas das periferias está em olharmos com mais atenção para as crianças e jovens que moram ali, protegê-los e orientá-los, tenho dois filhos, e procuro incutir os mesmos valores. Tento filtrar as atividades a que eles têm acesso. Eu busco soluções que creio serem as melhores não só para os meus filhos, mas para a maioria dos jovens que estão aí: busco ocupar a mente deles com coisas positivas, como música de qualidade, boas mensagens, cultura e educação”

 

Poema:  “Da senzala a favela

As correntes se quebraram

O cativeiro não existe mais

Liberdade, liberdade

O grito do negro ecoou

Por toda a terra

O sorriso de felicidade

Se comparava a beleza

Da mais formosa flor

Era o fim do sofrimento e da dor

O tempo passou e o negro

Continua sofredor

A senzala só modificou

Continua úmida

E sem as cores da aquarela

Trocaram seu nome

E hoje se chama “FAVELA”.

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s