Empregadas domésticas, discriminação e direitos violados


Historicamente desde a Grécia antiga o trabalho doméstico sempre foi exercido por escravos e tido como um trabalho sem valor atribuído as pessoas denominadas como inferiores e incultas.

O filósofo Grego Aristóteles em seu livro clássico A Política, afirma que para conseguir cultura, era necessário ser rico e ocioso à custa da escravidão dos incautos.

Esse tipo de pensamento permeou toda antiguidade, na velha Roma, por exemplo: todo o trabalho manual era reservado aos escravos.

Na idade média, nos castelos medievais a cozinha era reservada aos servos.

Apenas em alguns mosteiros da Igreja católica onde a função doméstica era exercida por monges, que esse trabalho recebia algum tipo de consideração.

No Brasil, não foi diferente, os colonizadores obrigavam os índios a cumprirem todo o trabalho considerado pesado.

E foram os Jesuítas que em suas missões catequizadoras, que colocaram as índias para serem as responsáveis pelo trabalho doméstico, em suas comunidades criadas aqui no Brasil

Com o surgimento do Patriarcalismo e a escravatura instalada como a base do sistema de produção, os homens negros eram colocados para trabalhar na lavoura, enquanto as mulheres negras foram inseridas na casa grande para trabalhar como mucamas.

Hoje no Brasil, resquícios de uma escravidão que ainda não foi enterrada, o serviço doméstico é uma realidade com poucas mudanças, que trás engendrada na cultura dos empregadores, de que, é uma função sem direitos.

Reproduzindo assim, uma nova relação de trabalho escravocrata velada.

Ouça matéria na integra:

QUEM NÃO GRITA QUER TARIFA! 4º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista


Jornada de lutas contra o aumento do busão!!!

Você está satisfeito em pagar uma passagem de ônibus mais cara que a maioria das capitais do País? Com um serviço de transporte público que só é bom para quem lucra com isso?

Vamos dar nosso grito de indignação:

Estão convidados todos os movimentos, estudantes e cidadãos em geral, revoltados com mais um aumento absurdo, tanto nas tarifas intermunicipais como nas municipais. ESTADO E PREFEITURAS, são todos culpados!

Próximas atividades:

17/03 (quinta-feira) ás 06h30 – Panfletagem com café no Terminal de Santos/SP

18/03 (sexta-feira) – Panfletagem nas Universidades de Santos e na UnBR em São Vicente/SP

19/03 (Sábado) ás 10h30 – Ato contra aumento da tarifa em São Vicente
Praça: Barão do Rio Branco – Centro – São Vicente/SP

20/03 (Domingo) ás 15h – Vídeo-debate no CES
Vídeo: A revolta do Buzu
CES: Av. Ana Costa, 308 Santos/SP (Ao lado do Extra)

Apoio: Rádio da JuventudeJOC BrasilJuventude e LutaCES, Ideia QuenteOpcional TV,Diga a Verdade e Saia CorrendoPassa Palavrae demais compas de luta!


Visita de Obama ao Rio: protesto das massas ou plateia adestrada?


Por Marcelo Salles

A visita do presidente dos Estados Unidos ao Brasil, no próximo final de semana, conta com uma forte ação midiática que objetiva sensibilizar o nosso povo. O site da embaixada pede que brasileiros enviem mensagens de boas vindas e promete presentear as melhores com camisas, livros e outros presentes. Corporações de mídia foram contratadas – ou a cobertura que vemos seria apenas reflexo da simpatia? – para divulgar, diariamente, a vinda de Barack Obama. Tudo com muito entusiasmo e leveza, dando um ar “cool” ao mega-evento e fazendo parecer que se trata de uma grande oportunidade oferecida, gratuitamente, pelos sempre benevolentes vizinhos do norte. A visita já ganha contornos de mega-evento, com direito a show musical e tradução simultânea.

A ação midiática tem sua razão de ser. Quando Bush visitou o Brasil, em 2007, milhares de pessoas protestaram no Brasil inteiro. Pude acompanhar as manifestações no Rio de Janeiro, onde consulado estadunidense ficou todo pintado, assim como bancos ianques. O lado triste é que nossa polícia, composta por gente do nosso povo, agrediu os manifestantes.

E é exatamente isso que pode acontecer quando Obama chegar ao Rio no próximo domingo, dia 20. Se milhares saíram às ruas da capital fluminense quando Bush esteve em Brasília, o que podemos esperar quando Obama pisar no Rio? É certo que Obama não é Bush, mas se os ideólogos ianques estivessem tranquilos não haveria necessidade de investir tanto em ações midiáticas.

O Rio de Janeiro tem características específicas, assim como qualquer outra capital. No caso do povo fluminense, ex-capital da República, ex-capital da Colônia, palco de uma mistura infinita de religiões, raças e ideologias, acabamento perfeito da miscigenação de que fala Darcy Ribeiro. Por tudo isso e muito mais, trata-se de uma região cuja capacidade de rebelião não pode ser subestimada. Em 2007, uniram-se partidos de esquerda, movimentos sociais e grupos anarquistas contra a chegada de Bush. Deram uma demonstração clara de que parte expressiva do povo brasileiro não aceitava a política de guerra preventiva, Guantánamo e Abuh Graib de Bush. A aliança será mantida agora, quatro anos depois? Que fenômeno político terá mais relevância no dia 20: o protesto das massas ou a plateia inebriada pelas palavras e imagens sedutoras das corporações de mídia?

A visita de Obama acontece num momento de declínio do império ianque, que apesar disso ainda é a maior economia e a maior potência militar do planeta. No plano interno, o presidente estadunidense tem tido dificuldades de levar adiante sua agenda, ou pelo menos a agenda que foi prometida na campanha. Os EUA seguem invadindo Iraque e Afeganistão, e não conseguiu implementar um sistema público de saúde universal, duas de suas principais bandeiras de campanha.

Em artigo recente, o cineasta Michael Moore destaca um terceiro ponto: o roubo do povo pelos agentes do sistema financeiro, que com a “crise” de 2008 receberam bilhões de dólares do erário com a chantagem de que sem essa transferência haveria uma quebradeira generalizada.

O Brasil, por outro lado, é o país com maior população, maior PIB, maior território e mais riquezas naturais da América Latina. Nos últimos oito anos, milhões de pessoas saíram da miséria e ingressaram na classe média. O mercado de consumo avança, o emprego cresce e as obras não param em todo o território nacional.

No cenário internacional, o Brasil é um país cada vez mais respeitado. Saímos da posição de expectadores para a condição de um ator relevante. Somos escutados, requisitados para mediar conflitos, duplicamos nossas representações diplomáticas em todo o mundo e temos boas probabilidades de ingressar como membro efetivo do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Nos últimos anos, ao contrário do que certos colunistas afirmam, o Brasil não manteve uma posição de enfrentamento aos EUA. Nós simplesmente passamos a expressar nossas próprias opiniões – isso sim incomodou àqueles que só enxergam o Brasil seguindo ordens de Washington.

Na nova ordem multilateral seguida pelo Brasil, ampliamos nossas relações comerciais com nossos vizinhos latino-americanos e estabelecemos novas negociações com outros parceiros, especialmente países africanos e árabes. O eixo Sul-Sul foi fortalecido, de modo que, proporcionalmente, foi reduzida a relevância (e com isso a influência) da relação com os Estados Unidos.

Nessa conjuntura, Obama deve vir ao Brasil com um discurso de conciliação. Vai querer ganhar o apoio do “gigante do Sul” para a sua esfera de influência, e dessa forma reforçar sua disputa global com China e União Europeia. No plano interno, uma aproximação comercial com o gigante do sul pode dar uma sobrevida ao país em crise. Mas quais seriam as consequências para a integração latino-americana?

Vamos acompanhar com atenção as movimentações das ruas e as articulações diplomáticas, com a certeza de que em jogo estão os interesses não apenas de Brasil e Estados Unidos, mas de todo o povo latino-americano.

Marcelo Salles, jornalista, atuou como correspondente da revista Caros Amigos no Rio de Janeiro (2004 a 2008), e em La Paz (2008 a 2009).

*Matéria publicada originalmente no O Escrevinhador

Comunicação independente viabiliza protestos contra aumentos na Baixada Santista


Por

Márcio Garoni, no CMI Brasil

A Região Metropolitana da Baixada Santista, assim como São Paulo e outras cidades do País, teve reajustados os valores das tarifas do transporte público. Mesmo com o enfraquecimento da cultura de protesto na região, está sendo iniciada mobilização para barrar os aumentos, puxado pela mídia independente

Na onda dos aumentos no transporte público de todo o País, a Região Metropolitana da Baixada Santista, composta por nove cidades do litoral de São Paulo, também teve as tarifas reajustadas.

O primeiro aumento foi na primeira semana de fevereiro: 7% de reajuste, em média, nas linhas intermunicipais, pelo Governo do Estado. Hoje, por exemplo, a passagem de ônibus entre Santos e São Vicente, cidades que dividem a mesma ilha (57 km²), custa no mínimo R$ 3,10. Em efeito cascata, os municípios logo trataram de reajustar também as tarifas em suas localidades, pressionadas pelas todo-poderosas viações rodoviárias. Em Santos, paga-se o absurdo valor de R$ 2,65, em uma cidade pequena e plana. Valor mais alto que a maioria das capitais brasileiras.

Outro problema é a falta da figura do cobrador, em quase todas as cidades, um claro desrespeito às leis trabalhistas (já que o motorista exerce duas funções) e aos usuários do transporte.

A perda de uma cultura de protesto na região e o clima de comodismo de muitos fez com que não houvesse protestos coletivos imediatos aos reajustes. Porém, a união entre movimento social e comunicação livre possibilitou uma “faísca” inicial, que já lançou suas primeiras chamas.

A Rádio da Juventude, de São Vicente, iniciativa do movimento social internacional Juventude Operária Católica (JOC), fez um chamado para o último dia 25 de fevereiro, a uma semana do Carnaval. No Centro da cidade seria feito um protesto contra os aumentos abusivos na região. O 1º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista teve a participação de cerca de 50 pessoas, muitas delas informadas por ferramentas virtuais como blog, twitter e facebook. Com um microfone e caixa de som, todos puderam se manifestar contra o alto custo e a baixa qualidade do transporte público.

A comunicação independente e os movimentos acabaram por começar um maior contato entre si. Vestiram a camisa do protesto os sites Juventude e Luta, Ideia Quente e Opcional TV, além do Centro dos Estudantes de Santos. Jovens e adultos, estudantes ou não, sem ligação com movimentos também aderiram ao protesto, bem como companheiros de ideologia anarquista, e outros ligados ao movimento sindical. Outros movimentos, apesar de convidados, não compareceram ou manifestaram apoio, revelando o famoso “rabo preso” com forças políticas e econômicas da região.

No último sábado, dia 05 de março, foi realizado o 2º Ato, desta vez com direito a passeata que fechou as vias do centro de São Vicente, mesmo com o baixo número de manifestantes. O protesto chamou atenção da secretaria de trânsito local e da PM que, justiça seja feita, agiu com tranquilidade.

O fato de o dia ter sido de Carnaval e chuvoso só aumentou o otimismo dos participantes para uma sequência de manifestações. O 3º Ato, neste sábado, será no bairro do Gonzaga, em Santos, o coração da Cidade. A cada semana as mídias independentes se articulam e, cada qual a seu modo, divulgam as próximas ações. Propositadamente não há uma política de entrar em contato com as grandes mídias convencionais, uma postura tanto de afronta como de termômetro do nível de mobilização das pessoas.

A Rádio da Juventude tem concentrado em seu blog ( https://radiodajuventude.wordpress.com) as principais informações sobre os atos, mas a intenção é que, com o tempo, as outras mídias independentes e movimentos sociais se apropriem das ferramentas e todos continuem
trabalhando conectados entre si. E contra o aumento do busão.

É amanhã! 3º Ato!


Sábado, 12 de março, 10h30

Praça da Independência

Gonzaga, Santos

Você está satisfeito em pagar uma passagem de ônibus mais cara que a maioria das capitais do País? Com um serviço de transporte público que só é bom para quem lucra com isso?

Vamos dar nosso grito de indignação:

Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista

Estão convidados todos os movimentos, estudantes e cidadãos em geral, revoltados com mais um aumento absurdo, tanto nas tarifas intermunicipais como nas municipais. ESTADO E PREFEITURAS, são todos culpados!

De preferência, vá de bike

QUEM NÃO GRITA QUER TARIFA!

Apoio: Rádio da JuventudeJOC BrasilJuventude e LutaCES, Ideia QuenteOpcional TV,Diga a Verdade e Saia CorrendoPassa Palavra e demais compas de luta!

Veja como foi o 2º Ato, sábado, dia 05, em São Vicente. Paramos o centro da cidade. Até a PM quis saber o que era.

Ideia Quente e Rádio da Juventude:

André Cardoso – Juventude e Luta:

Adicione a rádio no face e no twitter

Vídeo-Debate: Movimento Passe Livre


É isso galera! Vamos participar desse debate! É um importante momento para discutir e refletir sobre a realidade do transporte público na nossa região.

Domingo, 13/03/11
15h
No CES: Av. Ana Costa, 308, Santos/SP

3° Ato contra o aumento do busão! Praça da Independência – Gonzaga – Santos


Documentário sobre as manifestações que estão ocorrendo na baixada Santista em relação ao aumento das passagens nos coletivos.

Quem não grita quer tarifa!

3º Ato: 10h30 – Praça da Independência – Gonzaga – Santos

Levem cartazes, apitos, protestos e indignação contra esses aumentos abusivos!

Apoio: JOC BrasilCES, Juventude e Luta, Ideia Quente, Opcional TV, Diga a Verdade e Saia Correndo, Passa Palavra e demais compas de luta!

Adicione a rádio no face e no twitter