#Antiquário: cultura é solução sim!


A cultura adquire formas diversas através do tempo e do espaço. Essa diversidade se manifesta na originalidade e na pluralidade de identidades que caracterizam os grupos e as sociedades que compõem a humanidade. Fonte de intercâmbios, de inovação e de criatividade, a diversidade cultural é  para o gênero humano, tão necessária como a diversidade biológica para a natureza. Nesse sentido, constitui o patrimônio comum da humanidade e deve ser reconhecida e consolidada em beneficio das gerações presentes e futuras. (parte textual da declaração da Unesco sobre  cultura)

Por isso

Resgatar a memória cultural de um povo é fundamental para a construção de identidade e para fomentar também novas formas de produção cultural e intelectual.

Neste sentido o programa Antiquário vem ativamente cumprindo o seu papel de fortalecer a cultura da música popular brasileira.

Apresentado por Alex Silva o programa tem o objetivo de ser um revival de grandes obras que estão empoeiradas no báu do esquecimento.

Ouça matéria:

#Antiquário – Nara Leão


Capixaba filha de Jairo Leão e Altina Lofego Leão, Nara Lofego Leão Diegues mudou-se para o Rio de Janeiro com apenas um ano de idade, com os pais e sua irmã jornalista Danuza Leão.

Aos 14 anos no ano de 1956 Nara Leão resolveu estudar violão na academia de Carlos Lyra e Roberto Menescal, essa academia funcionava em um quarto-e-sala na rua Sá Ferreira no bairro de Copacabana. Mais tarde a Musa da Bossa Nova tornou-se professora da academia.

Sua estréia profissional se deu ao lado de Vinícius de Moraes e Carlos Lyra na comédia Pobre Menina Rica (1963). O título de Musa da Bossa Nova lhe foi creditado pelo cronista Sergio Porto, a sua consagração efetiva se deu após o movimento militar de 1964 com a apresentação do espetáculo Opinião, ao lado de João do Vale e Ze Kéti, esse espetáculo é uma critica social à dura repressão imposta pelo regime militar. Maria Bethania, por sua vez a substituiria no ano seguinte, interpretando Carcará, pois Nara precisara se afastar por estar afônica.

Nara Leão passa a mudar o com o tempo suas preferências musicais, de Musa da Bossa Nova vem a ser simpatizante dos Centros Populares de Cultura da UNE tocando músicas de protesto. Embora os CPC’s já tivessem sido extintos pela ditadura, em 1964, o espetáculo Opinião tem forte influência do espírito cepecista. Em 1966, interpretou a canção A Banda, de Chico Buarque no Festival de Música Popular Brasileira (TV Record ), que ganhou o festival e público brasileiro.

Dentre as suas interpretações mais conhecidas, destacam-se O barquinho,A Banda e Com Açúcar e com Afeto – feita a seu pedido por Chico Buarque, cantor e compositor a quem homenagearia nesse disco homônimo, lançado em 1980.

Nara também aderiu ao movimento tropicalista, tendo participado do disco-manifesto do movimento – Tropicália ou Panis et Circensis, lançado pela Philips em 1968e disponível hoje em CD.

Após passar três anos em Paris, refugiou-se dos holofotes. Cuidou de sua vida particular, estudou Psicologia na PUC, e só voltou pra valer à carreira quando se viu doente e sem possibilidades de estudar.

Nos últimos anos, levou ao mundo a Bossa Nova em sua voz doce e emocionada. Quando morreu, na manhã de 7 de junho de 1989, deixou pronto um disco de versões dos clássicos americanos que embalaram sua adolescência nos musicais exibidos pelo Cinema Metro Copacabana. A capricorniana nascida em 19 de janeiro de 1942 em Vitória, ES, nos deixou aos 47 anos com marca registrada de seu signo: o retorno à juventude, fechando o ciclo da vida.

Acompanhe no link o que rolou nesse #Antiquário

Software livre e a democracia da informação


Você já ouvir falar em Software livre? Democracia do conhecimento?

Tecnologia em prol do desenvolvimento da humanidade? Não?

Pois é, então confira está matéria e faça parte desta ideia!

Reforma política, tributária… PT X Psol discutem novos rumos para o país!


O Programa Reflexão e Ação de Janeiro trouxe a discussão sobre “Novos rumos para o país no governo Dilma”, a discussão girou em torno da reforma política e tributária.

Participaram deste programa Emerson do PT de São Vicente e o professor de história Maycon do Psol de São Vicente.

Duração do programa 01H:30min

[audio http://www.radiotube.org.br/upload/audio_anexo/c72f85937e.mp3]

OBS:  Está dando erro no arquivo e o programa fica em torno de cinco minutos, feche a página e abra novamente caso isso acontecer.Valeu!

“Democracia” da mídia brasileira não permite falar a verdade sobre Cuba”


De Solidários

Por Alexandre Haubrich no site Jornalismo B

Dividir para conquistar. Eis uma estratégia mais velha do que a velha mídia, mas adorada por esta, que talvez se sinta moderna e inventiva ao aplicá-la diariamente contra os críticos do status quo. E o pior é que volta e meia caímos em armadilhas desse tipo. Os ataques à nova e à não tão nova esquerda latino-americana são constantes. Se hoje o foco principal dos ataques é a Venezuela e seu presidente, Hugo Chávez, por muito tempo Cuba foi a bola da vez, bola que de vez em quando a mídia hegemônica brasileira gosta de voltar a chutar.

O 6º Congresso do Partido Comunista Cubano falou, durante os últimos dias, em reformas no modelo atual, e a velha mídia brasileira aproveitou para desferir novos ataques. A tentativa foi mostrar as mudanças que começam a se operar como um indício de derrocada do socialismo cubano e, por extensão, das alternativas anticapitalistas ou, ao menos, de centro-esquerda. Como já foi repetido tantas vezes aqui no Jornalismo B, os ataques a governos latino-americanos de orientação esquerdista visam sempre atingir o conjunto da esquerda do continente, incluindo aí, especialmente, a esquerda brasileira.A prática é mostrar Chávez como um demônio, Fidel (e agora também Raúl) como um ditador sanguinário, e os outros presidentes não-alinhados com os EUA como capachos de Cuba e da Venezuela. Dessa forma combate-se também possíveis “aventuras esquerdistas” no Brasil, atemorizando a população com a invenção de exemplos e estereótipos.


Nos últimos dias, a forma como a Folha de S. Paulo cobriu o Congresso do PC Cubano já foi comentada com perfeição por Gilson Caroni Filho na Carta Maior. E a Folha foi o único dos jornalões brasileiros a enviar corresponde para Havana. A Zero Hora fez parca cobertura, chamando sempre Raúl de “ditador” e Fidel de “ex-ditador”. Isso enquanto a notícia é de que haverá reformas nos mecanismos de Poder Popular. Contradição? Faz parte da cultura da velha mídia brasileira não se importar em se contradizer.

Por sua vez, o Estadão baseou-se em notícias de agências e do site Cuba Debate. Porém, usou essas informações de forma, no mínimo, estranha. Fala, por exemplo, em “medidas que abrem a economia cubana ao setor privado”. E todas as matérias e notas vão por aí, tentando demonstrar uma capitulação do governo cubano perante um fracasso do socialismo. Ainda que a mesma matéria admita, sobre as resoluções do Congresso, que “o texto ainda diz que ‘só o socialismo é capaz de vencer as dificuldades e preservar as conquistas da revolução’”, a ênfase concentra-se toda nessa falsa capitulação, dando a entender, no conjunto da cobertura, que Cuba desistiu, que a Revolução Cubana acabou.Na verdade, nas resoluções do Congresso, publicadas no site Cuba Debate AQUI,AQUI e AQUI, a ênfase está toda na manutenção do socialismo, do igualitarismo e dos princípios que nortearam desde o início uma revolução que, como toda a política e a História, segue em andamento, em movimento contínuo. Alguns trechos que demonstram essa ênfase:

(…) para actualizar el modelo económico cubano, con el objetivo de garantizar la continuidad e irreversibilidad del Socialismo (…).

Los Lineamientos definen que el sistema económico que prevalecerá continuará basándose en la propiedad socialista de todo el pueblo sobre los medios fundamentales de producción, donde deberá regir el principio de distribución socialista “de cada cual según su capacidad a cada cual según su trabajo”.

En la política económica está presente el concepto de que el socialismo significa igualdad de derechos y de oportunidades para todos los ciudadanos, no igualitarismo, y se ratifica el principio de que en la sociedad socialista cubana nadie quedará desamparado.

Acusado de fechar-se em si mesmo e não aceitar críticas, o governo cubano usou quase a totalidade do 6º Congresso para criticar os rumos do país e repensá-los para manter forte o socialismo. Acusado de não ouvir a sociedade, o governo cubano descentraliza e municipaliza o poder, fortalecendo as organizações sociais, e limita a dois mandatos de cinco anos a permanência nos principais cargos. Não há capitulação à vista.

Os jornais brasileiros – mesmo a Folha, que enviou correspondente – não publicaram nada sobre a sociedade cubana e sua dinâmica. Não mostraram, por exemplo, o que mesmo parte da direita brasileira admite: o apoio maciço da população ao governo e ao sistema. Não mostraram o que o Tijolaço, blog do deputado Brizola Neto, mostrou: os jovens revolucionários cubanos. Apesar da torcida e da inventividade direcionada da mídia hegemônica, os sinais não indicam derrocada, mas avanços. Mas é claro que, na democracia da mídia brasileira, nada disso pode ser dito. Está faltando só entrevistarem a boa e velha amiga Yoani Sánchez

Homenagem a Cuba em São Paulo. “Os 50 anos de Praia Girón”


Post de origem Diário liberdade

Acontece no próximo dia 25, segunda-feira, a partir das 19 horas, na Câmara Municipal de São Paulo, o ato de apoio, seguido de debate sobre “Os 50 anos da vitória em Praia Girón”

O evento é uma homenagem de diversas entidades e do vereador Jamil Murad (PCdoB) ao povo cubano que, em abril de 1961, venceu, naquele local, a invasão inimiga financiada pelos Estados Unidos.

Para debater o tema, estão confirmadas as presenças de Lázaro Cabrera, cônsul-geral de Cuba; Socorro Gomes, presidente do Cebrapaz, Vivian Mendes, do Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba, além do próprio parlamentar proponente.

Com o apoio do Portal Vermelho, Cebrapaz, UJS, PC do B e Fundação Maurício Grabois, o debate visa pôr em pauta a trajetória de resistência da Ilha e a luta pelo socialismo tanto no cenário pós-revolução quanto nos dias de hoje em que o país busca atualizar sua economia e sua política frente aos desafios do século 21.

“Queremos homenagear o povo cubano e a luta árdua que tem travado para vencer as agressões imperialistas e construir o socialismo na Ilha. Seu heroísmo é um patrimônio da humanidade”, disse o vereador Jamil Murad.

Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial da Paz e do Cebrapaz, ressalta o heroísmo do povo cubano, a contribuição que dá a toda a humanidade na luta anti-imperialista e pela paz.

“Ao longo desses 50 anos de revolução, Cuba e o socialismo nos permitiram sonhar com a possibilidade de um mundo humano, mais justo com as diversidades”, argumentou Netinho de Paula, que compõe com Jamil a bancada comunista na Câmara paulistana.

O editor do Portal Vermelho, José Reinaldo Carvalho, considera importante a solidariedade a Cuba na nova etapa que o país ingressa na construção do socialismo.

Serviço:

Ato de apoio a Cuba: “Os 50 anos de Praia Girón”;

Dia 25/04, a partir das 19 horas;

Salão Nobre da Câmara de São Paulo/SP (Viaduto Jacareí, 100 – 8º andar).


Parabéns Brasília 51 anos e sete milhões nas comemorações do nosso bolso!


Bertold Brecht – para refletir, lembrando quem construiu Brasília


Quem construiu a Tebas das sete portas?
Nos livros constam os nomes dos reis.
Os reis arrastaram os blocos de pedra?

E a Babilônia tantas vezes destruída
Quem ergueu outras tantas?

Em que casas da Lima radiante de ouro
Moravam os construtores?

Para onde foram os pedreiros
Na noite em que ficou pronta a Muralha da China?

A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os levantou?

Sobre quem triunfaram os Césares?
A decantada Bizâncio só tinha palácios
Para seus habitantes?

Mesmo na legendária Atlântida,
Na noite em que o mar a engoliu,
Os que se afogavam gritaram por seus escravos.

O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Ele sozinho?

César bateu os gauleses,
Não tinha pelo menos um cozinheiro consigo?

Felipe de Espanha chorou quando sua armada naufragou.
Ninguém mais chorou?

Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu além dele?

Uma vitória a cada página.
Quem cozinhava os banquetes da vitória?

Um grande homem a cada dez anos.
Quem pagava as despesas?