#Antiquário – Clara Nunes


Clara Nunes, nasceu no interior de Minas Gerais no distrito de Cedro hoje a cidade foi emancipada com o nome de Caetanópolis, lá viveu até os 16 anos. Seu pai era conhecido como Mané Serrador, trabalhava na fábrica de tecidos Cedro & Cachoeira partcipava das festas de Folia de Reis. Clara Nunes perde seu pai em 1944 logo depois fica orfã de mãe e acaba sendo criada por sua irmã Dindinha ( Maria Gonçalves) e o seu irmão ( Zé Chilau). Clara, participava de aulas de catecismo na matriz da Cruzada Eucarística, la cantava ladainhas em latim no coro da igreja.

Em 1960, já com o nome de Clara Nunes e ainda como tecelã, ela venceu a etapa mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC”, com a música “Serenata do Adeus”, composta por Vinicius de Moraes e gravada anteriormente por Elizeth Cardoso. Na final nacional do concurso realizada em São Paulo, Clara Nunes obteve o terceiro com a canção “Só Adeus” (de Jair Amorim e Evaldo Gouveia).

Naquela época se apresentou na TV no programa da Hebe Camargo em Belo Horizonte. Em 1963, Clara ganhou um programa exclusivo na TV Itacolomi, chamado “Clara Nunes Apresenta” esse programa foi ao ar por um ano e meio. Nesse programa se apresentavam artistas de reconhecimento nacional como por exemplo Altemar Dutra e Ângela Maria.

No ano seguinte, Clara foi contratada por esta gravadora, a primeira e a única em toda a sua vida. Naquele mesmo ano, foi lançado o primeiro LP oficial da cantora, “A Voz Adorável de Clara Nunes”. Por insistência da gravadora para que ela interpretasse músicas românticas, Clara apresentou neste álbum um repertório de boleros e sambas-canções, mas o LP foi um fracasso comercial. Em 1968, Clara Nunes gravou “Você Passa e Eu Acho Graça”, seu segundo disco na carreira e o primeiro onde cantaria sambas. A faixa-título (de Ataulfo Alves e Carlos Imperial) foi seu primeiro grande sucesso radiofônico.

Afirmação do Samba

Em 1970, Clara Nunes se apresentou em Luanda, capital angolana, em convite de Ivon Curi. No ano seguinte, a cantora gravou seu quarto LP, no qual interpretou e “É Baiana” (de Fabrício da Silva, Baianinho, Ênio Santos Ribeiro e Miguel Pancrácio), música que obteve considerável sucesso no carnaval de 1971, e “Ilu Ayê”, samba-enredo da Portela (de autoria de Norival Reis e Silvestre Davi da Silva). Na capa do álbum, a cantora mineira fez um permanente nos cabelos pintados de vermelho e passou a partir daí a se vestir com roupas que remetiam às religiões afro-brasileiras.

Em 1972, Clara se firmou como cantora de samba com o lançamento do álbum “Clara Clarice Clara”. Com arranjos e orquestrações do maestro Lindolfo Gaya e com músicos como o violonista Jorge da Portela e Carlinhos do Cavaco, o disco teve como grandes destaques as canções “Seca do Nordeste” (um samba-enredo da escola de samba Tupi de Brás de Pina), “Morena do Mar” (de Dorival Caymmi), “Vendedor de Caranguejo” (de Gordurinha), “Tributo aos Orixás” (de Mauro Duarte, Noca e Rubem Tavares) e a faixa-título “Clara Clarice Clara” (de Caetano Veloso e Capinam. Ainda naquele ano, Clara Nunes se apresentou no “Festival de Música de Juiz de Fora” e gravou um compacto simples da música “Tristeza, Pé no Chão” (de Armando Fernandes), que vendeu mais de 100 mil cópias.

Morte Polemica

Em 5 de Março de 1983, Clara Nunes se submeteu a uma aparentemente simples cirurgia de varizes, mas a cantora acabou tendo uma reação alérgica a um componente do anestésico. Clara sofreu uma parada cardíaca e permaneceu durante 28 dias internada na UTI da Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro. Neste ínterim, a cantora foi vítima de uma série de especulações que circulavam na mídia sobre sua internação, entre elas “inseminação artificial, aborto, tentativa de suicídio, surra de seu marido Paulo César Pinheiro”,[6] em episódio semelhante ao ocorrido na morte de Elis Regina, no ano anterior.

Na madrugada de 2 de abril de 1983 – um Sábado de Aleluia -, Clara Nunes entrou oficialmente em óbito aos 39 anos de idade, vítima de um choque anafilático. A sindicância aberta pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro na época foi arquivada, o que geraria por muitos anos suspeitas sobre as causas da morte da cantora. O corpo da cantora foi velado por mais de 50 mil pessoas na quadra da escola de samba Portela. O sepultamento no Cemitério São João Batista foi acompanhado por uma multidão de fãs e amigos. Em sua homenagem, a rua em Madureira onde fica a sede da Portela, sua escola de coração, recebeu seu nome.

Confira no link como foi o Programa #Antiquário dessa semana apresentado por Alex Silva e Ornella Rodrigues

Anúncios

1 Comentário

  1. sempre maravilhosa
    porá mais que o tempo passe para nós aqui na terra; jamais será esquecida…por todos pois ela deixa sua própria marca registrada.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s