“Democracia” da mídia brasileira não permite falar a verdade sobre Cuba”


De Solidários

Por Alexandre Haubrich no site Jornalismo B

Dividir para conquistar. Eis uma estratégia mais velha do que a velha mídia, mas adorada por esta, que talvez se sinta moderna e inventiva ao aplicá-la diariamente contra os críticos do status quo. E o pior é que volta e meia caímos em armadilhas desse tipo. Os ataques à nova e à não tão nova esquerda latino-americana são constantes. Se hoje o foco principal dos ataques é a Venezuela e seu presidente, Hugo Chávez, por muito tempo Cuba foi a bola da vez, bola que de vez em quando a mídia hegemônica brasileira gosta de voltar a chutar.

O 6º Congresso do Partido Comunista Cubano falou, durante os últimos dias, em reformas no modelo atual, e a velha mídia brasileira aproveitou para desferir novos ataques. A tentativa foi mostrar as mudanças que começam a se operar como um indício de derrocada do socialismo cubano e, por extensão, das alternativas anticapitalistas ou, ao menos, de centro-esquerda. Como já foi repetido tantas vezes aqui no Jornalismo B, os ataques a governos latino-americanos de orientação esquerdista visam sempre atingir o conjunto da esquerda do continente, incluindo aí, especialmente, a esquerda brasileira.A prática é mostrar Chávez como um demônio, Fidel (e agora também Raúl) como um ditador sanguinário, e os outros presidentes não-alinhados com os EUA como capachos de Cuba e da Venezuela. Dessa forma combate-se também possíveis “aventuras esquerdistas” no Brasil, atemorizando a população com a invenção de exemplos e estereótipos.


Nos últimos dias, a forma como a Folha de S. Paulo cobriu o Congresso do PC Cubano já foi comentada com perfeição por Gilson Caroni Filho na Carta Maior. E a Folha foi o único dos jornalões brasileiros a enviar corresponde para Havana. A Zero Hora fez parca cobertura, chamando sempre Raúl de “ditador” e Fidel de “ex-ditador”. Isso enquanto a notícia é de que haverá reformas nos mecanismos de Poder Popular. Contradição? Faz parte da cultura da velha mídia brasileira não se importar em se contradizer.

Por sua vez, o Estadão baseou-se em notícias de agências e do site Cuba Debate. Porém, usou essas informações de forma, no mínimo, estranha. Fala, por exemplo, em “medidas que abrem a economia cubana ao setor privado”. E todas as matérias e notas vão por aí, tentando demonstrar uma capitulação do governo cubano perante um fracasso do socialismo. Ainda que a mesma matéria admita, sobre as resoluções do Congresso, que “o texto ainda diz que ‘só o socialismo é capaz de vencer as dificuldades e preservar as conquistas da revolução’”, a ênfase concentra-se toda nessa falsa capitulação, dando a entender, no conjunto da cobertura, que Cuba desistiu, que a Revolução Cubana acabou.Na verdade, nas resoluções do Congresso, publicadas no site Cuba Debate AQUI,AQUI e AQUI, a ênfase está toda na manutenção do socialismo, do igualitarismo e dos princípios que nortearam desde o início uma revolução que, como toda a política e a História, segue em andamento, em movimento contínuo. Alguns trechos que demonstram essa ênfase:

(…) para actualizar el modelo económico cubano, con el objetivo de garantizar la continuidad e irreversibilidad del Socialismo (…).

Los Lineamientos definen que el sistema económico que prevalecerá continuará basándose en la propiedad socialista de todo el pueblo sobre los medios fundamentales de producción, donde deberá regir el principio de distribución socialista “de cada cual según su capacidad a cada cual según su trabajo”.

En la política económica está presente el concepto de que el socialismo significa igualdad de derechos y de oportunidades para todos los ciudadanos, no igualitarismo, y se ratifica el principio de que en la sociedad socialista cubana nadie quedará desamparado.

Acusado de fechar-se em si mesmo e não aceitar críticas, o governo cubano usou quase a totalidade do 6º Congresso para criticar os rumos do país e repensá-los para manter forte o socialismo. Acusado de não ouvir a sociedade, o governo cubano descentraliza e municipaliza o poder, fortalecendo as organizações sociais, e limita a dois mandatos de cinco anos a permanência nos principais cargos. Não há capitulação à vista.

Os jornais brasileiros – mesmo a Folha, que enviou correspondente – não publicaram nada sobre a sociedade cubana e sua dinâmica. Não mostraram, por exemplo, o que mesmo parte da direita brasileira admite: o apoio maciço da população ao governo e ao sistema. Não mostraram o que o Tijolaço, blog do deputado Brizola Neto, mostrou: os jovens revolucionários cubanos. Apesar da torcida e da inventividade direcionada da mídia hegemônica, os sinais não indicam derrocada, mas avanços. Mas é claro que, na democracia da mídia brasileira, nada disso pode ser dito. Está faltando só entrevistarem a boa e velha amiga Yoani Sánchez

Anúncios

1 Comentário

  1. […] more here: “Democracia” da mídia brasileira não permite falar a verdade sobre … This entry was posted in News. Bookmark the permalink. ← Patrus Ananias fala sobre […]


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s