Moção da discórdia inflama final do processo da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista


Catharina Apolinário
Jornalista e fotógrafa

Neste último final de semana aconteceu a da II Conferência de Juventude da Região Metropolitana da Baixada Santista em Praia Grande. Como jornalista e membro de um conselho de Juventude de nossa região gostaria de compartilhar com aqueles que não puderam estar presentes a minha indignação com alguns fatos.

Observei muitas propostas boas, importantes, e me senti orgulhosa da participação ética e compromissada dos jovens que ali estavam presentes. Tirando, é claro, aqueles que apenas foram até lá para serem um voto e passaram a tarde “arrumando o que fazer nos cantos da escola” Vila Mirim. As propostas realmente foram ao encontro do que a juventude precisa e deseja.

Fato é que vi muita gente trabalhando com afinco, e a estes, meus parabéns. Porém, vimos um “q” de desorganização em alguns pontos, partindo das refeições para aqueles que pernoitaram na cidade. A Conferência começou no sábado e foi até as 19 horas de domingo. Foi oferecido ano sábado uma refeição que, usando o próprio linguajar dos jovens “não segurou a onda” da fome da galera. O almoço no domingo não tinha opção para vegetarianos que tiveram que ficar a base do arroz e um pouco de salada.

Muitas propostas estavam colocadas nos eixos errados, impossibilitando assim que fossem contempladas na discussão do eixo. Não havia cópias das propostas nos eixos de trabalho, apenas uma, e cada eixo tinha sub-eixos. A discussão em grupo ficou prejudicada. Muitas pessoas da organização não tinham clareza do regimento e davam informações erradas. Não havia um regimento disponível no sábado, e muito do que foi colocado nele não foi cumprido.

Estas e outras situações não tornaram ilegítimo o processo de discussão das propostas por aqueles que saíram de suas cidades para debater políticas públicas para juventude, mas não facilitaram sua realização.

Desta forma, mesmo entendendo que todo processo pode ter falhas e que aprendemos com nossos erros, e ainda levando em consideração que esta é a segunda conferência, que a maioria dos conselhos de juventude estão “engatinhando”, foi elaborada, com a participação de representantes de 5 cidades da região, uma moção OPINATIVA sobra a organização. O conteúdo da moção era apontar algumas falhas e sugerir algumas soluções.

Pois esta moção gerou uma instabilidade desnecessária. Desnecessário a forma como foram tratadas as pessoas que a apresentaram, desnecessária a atitude de algumas pessoas ao se depararem com críticas, desnecessária a ação de gestores municipais, que deram exemplo de violência perante os jovens ali presentes. Segundo o regimento, com 20% dos presentes assinando a moção ela seria válida e iria para votação no plenário. A moção teve 86 assinaturas, o que a tornava legítima para discussão e votação.

Violência antidemocracia

A parte mais triste vem agora. No auditório onde acontecia a plenária final, um membro da Juventude de Guarujá, Fábio Antunes, arrancou a moção da mão de um menino de dez anos que acompanhava a mãe, ambos de Guarujá. Ao observar tal atitude, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro, passou a repreender o rapaz afirmando que não poderia fazer e tratar daquela forma uma criança de dez anos. A discussão se voltou para a mãe, Aglai Viriato, que foi humilhada e ameaçada. Neste momento, surge um gestor de Mongaguá, chamado de Mirabeli, já chamando o Bruno Pinheiro para “a mão lá fora”. O rapaz afirmou que era preciso conversar e não usar de violência. Muita gente veio segurar o “touro bravo”, e a confusão acabou quando o senhor Danilo Otto afirmou que aquilo era uma democracia e que haveriam de aceitar a moção se estivesse de acordo com o regimento. Aplaudido e aclamado. Todos então voltaram ao plenário e o discurso mudou.

Mas, na ocasião de apresentar e colocar a moção em votação, o representante do Condesb, Danilo Otto, fez questão de ler ele próprio. O que já era uma irresponsabilidade já que a moção tecia críticas, sutis, à organização e comissão organizadora, da qual ele era chefe, e reforço a palavra chefe.

A moção foi lida, o representante de Itanhaém, Bruno Pinheiro teve a palavra e se desculpou pelo ocorrido lá fora, mas lamentou a postura violenta de um gestor perante a juventude. Neste momento, o gestor Mirabeli desceu como uma bala pelas escadarias do auditório, numa clara postura de agressividade, inclusive visíveis nas fotos que esta reles jornalista tirou.

Junto com ele alguns leões de chácara que estavam ali para garantir que ele (Mirabeli), não tomasse nenhuma atitude que pudesse comprometê-lo. Enquanto ele descia os seus gritavam, numa demonstração nada democrática “ih fora!” para o rapaz que apresentava a moção. E muitos gestores municipais incentivavam essa situação correndo pelos corredores e pulando gritando a mesma coisa. Identifiquei ali, inclusive com pesar, representantes do Guarujá.

Enquanto a mãe da criança se desculpava. O Sr. Mirabeli xingava e ameaçava o Bruno Pinheiro, que se mantinha calmo e pacífico, buscando apenas o diálogo. Os xingamentos e ameaças ao rapaz me pareciam preconceituosos.

Foi então, que numa atitude irresponsável, o Sr. Danilo Otto inflamou a juventude presente a se revoltar contra os que eram a favor da moção. A postura dele naquele momento, diferente do que era necessário e ético, se assemelhava a posição de um líder grevista sobre um carro de som, inflamando a multidão contra a moção e contra as pessaos que a apresentavam.

Inclusive, em seu discurso, ele tentou desqualificar uma entidade séria, Ecosurfi, desprestigiar seu trabalho e acusá-la de tentar implodir o processo da conferência. O Sr. Mirabeli também usou o microfone, para dizer que o Bruno Pinheiro (quem conhece sabe) havia ameaçado de agressão o representante de Guarujá Fábio Antunes. Mas nessa hora a coisa já estava tão sem regras, que muita gente não ouviu mais nada daí pra frente. Com demonstração de ironia, O sr. Danilo Otto, ainda concedeu o microfone para a defesa de Bruno Pinheiro por causa da acusação contra a entidade Ecosurfi.

Algumas representantes da juventude de SV, mulheres, gritavam e pulavam como loucas dizendo, “vem fazer melhor então”, e começavam a estimular um grito da juventude de SV. Me parecia uma torcida organizada, pasmem. Portanto, neste momento, o samba do crioulo doido estava instituído. E na ânsia de separar a briga, algumas pessoas acabaram também envolvidas e ameaçadas. Isso gerou revolta de muitos que são a favor da democracia. Que se indignaram com a falta de bom senso dos gestores do processo, inclusive membros da organização.

Meu desabafo vem certo de que haverá represália em todos os sentidos, tendo observado a postura de algumas pessoas. Inclusive, algum jovens não assinaram a moção com o argumento de que seriam prejudicados politicamente. Mas é melhor compartilhar e viver o risco, do que ser conivente com a mentira e a violência sem limite.

A juventude tem sede de democracia e quer ter voz, a transversalidade dos processos deve ser respeitada e a finalidade desta conferência foi violada em sua essência.

Eu acredito na mudança. O que tem por trás desta história toda? A quem interessa manipular o processo? A quem interessa calar a voz da entidades e da juventude? Que tipos de interesses pessoais estas pessoas guardam em seu íntimo, para que tentem suprimir vozes que gritam por democracia?

Extremamaente triste…

Anúncios

1 Comentário

  1. […]   Moção da discórdia inflama final do processo da II Conferência de Juventude da Região Metropoli… […]


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s