Anonymous já avisou que vai agir no sábado!


O grupo de hackers Anonymous já avisou que vai agir no sábado, dia 5 de novembro, dia de Guy Fawkes, que tentou explodir o parlamento inglês, em 1605. Os integrantes prometem entrar em alguns sites de grandes corporações. No twitter, o grupo deixou o seguinte recado: “Algumas grandes corporações têm sites tão seguros quanto aqueles dos anos 90. Obrigado por facilitarem nossa vida! Aguardem-nos no dia 5 de novembro”.

O Anonymous surgido em meados dos anos 2000, no fórum 4chan. Suas atividades foram intensificadas em 2010, com a invasão de sites de grandes empresas e governos. A ação mais famosa foi no site da Sony, que tirou a rede de jogos PSN do ar por quase de um mês.Ainda não se sabe quais serão os alvos agora, mas um deles pode ser a rede de TV Fox News, ameaçada em um vídeo supostamente publicado pelo grupo no YouTube. Havia também boatos de que o Facebook poderia ser atacado, mas o grupo desmente essa possibilidade em sua conta no Twitter.O Anonymous se identifica como um grupo de ativistas da liberdade na internet e apoia o movimento Ocupe Wall Street.Vídeo postado com referências ao canal Fox:

<center></center>

Quem foi Guy Fawkes?No dia 5 de novembro de 1605, Guy Fawkes, um revolucionário, foi preso ao tentar explodir o Parlamento Britânico. Fawkes e seu grupo pretendiam assassinar o Rei James I, mas seus planos foram descoberto e, depois, impedidos de executar a ação. Fawkes foi torturado e executado um ano depois. Desde então, a data é conhecida no Reino Unido como Dia de Guy Fawkes.Foi em 1980 que a história ganhou popularidade com a série de histórias em quadrinhos (HQs) “V de Vingança”, de Alan Moore. Ambientada no futuro, um revolucionário mascarado planeja derrubar um regime totalitário. A máscara do personagem é uma versão estilizada do rosto de Guy Fawkes. A HQ ganhou uma versão para o cinema em 2006. A máscara inspirada no ativista é um dos principais símbolos do Anonymous e de movimentos contrários ao capitalismo, como o Ocupe Wall Street.Outra possibilidade

Há uma outra alternativa cogitada pelo grupo para colocar em prática no dia 5: Operação Cash Back, dinheiro de volta. É ligada ao Bank Transfer Day, também dia 5, trata-se de uma mobilização para fechar contas em grandes bancos e transferir para instituições comunitárias.

Vi@ Portal Vermelho.

Seminário Popular da Baixada Santista


Sábado, 5 de Novembro às 8:00 – Domingo, 6 de novembro às 20:00
Auditório do Sintraport
Rua General Câmara, 258 – Paquetá
Santos, SP
Entidades de bairro, movimentos populares, organizações sindicais de trabalhadores, aldeias indígenas e demais coletivos e indivíduos interessados participam neste sábado e domingo, dias 05 e 06 de novembro, do Seminário do Tribunal Popular da Terra – Baixada Santista.

O evento será no auditório do Sintraport, que fica na Rua General Câmara, 258, no Paquetá, próximo à Associação dos Cortiços do Centro (ACC). No encontro, o público vai discutir três eixos: as comunidades indígenas, o espaço urbano e os megaempreendimentos, intensificados com as explorações da camada do pré-sal, a ampliação do Porto de Santos e a Copa do Mundo.

O seminário é um evento regional do Tribunal Popular, iniciativa que surge em 2008, com o aniversário de 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, quando uma série de entidades passou a discutir e refletir acerca das constantes violações aos direitos humanos cometidas pelo Estado brasileiro, reforçando seu modelo opressor e a serviço do capital, que tem como alvo principal as parcelas mais pobres da população brasileira, em especial a população negra e indígena. Será lançado ainda o livro “Tribunal Popular: O Estado brasileiro no banco dos réus”.

É com o objetivo de denunciar a violação de direitos humanos na Região que está sendo construído o Seminário Popular da Terra na Baixada Santista. As populações indígenas locais vêm sofrendo constantes ameaças de serem retiradas dos locais onde vivem, faltam condições para subsistência, enquanto há perseguição, criminalização e vários outros direitos feridos pelo Estado. Além disso, vemos as populações mais pobres também sofrerem com despejos e a falta de projetos para moradias dignas, fruto de uma especulação imobiliária atrelada à exploração na camada do pré-sal da Bacia de Santos, a ampliação do Porto de Santos e a Copa do Mundo.

Com o Seminário Popular da Baixada Santista pretende-se apresentar os diversos grupos atingidos pelo processo de desenvolvimento e discutir assuntos que, apesar de parecerem distintos, são todos referentes a mesma questão: o direito à terra.

Programação

Sábado, 05 de novembro
8 horas
Abertura Tribunal Popular e lançamento do livro Tribunal Popular: O Estado brasileiro no banco dos réus

9 horas
Mesa com os três eixos:
– Questão indígena
– Questão urbana
– Megaempreendimentos

12 às 14 horas: Almoço

14 horas
Grupos de Discussão: Questão indígena e Questão urbana

18 horas
Janta e Noite Cultural, com o ritual indígena e sarau

Domingo, 06 de novembro

7 horas: Alvorada

7h30: Café da manhã

8h30
Grupos de Discussão

11 às 13 horas
Almoço

13 às 16 horas
Plenária final, encaminhamentos dos Grupos de Discussão e socialização dos assuntos debatidos

16h
Encerramento com uma apresentação cultural

Corrupção, mídia e farsa


Por Beto Almeida, no jornal Brasil de Fato:

A farsa da oligarquia da mídia contra a corrupção está em marcha. No feriado do dia 12, a TV Globo fez até plantão, com repórter na Esplanada, em Brasília, interrompendo a programação normal, para falar de toda a sua grande esperança e torcida para que a denominada Marcha contra a Corrupção fosse massiva.

Que diferença da TV Globo dos anos de 1980 quando sonegou ao povo, até não poder mais, informações sobre a Campanha das Diretas-Já, quando milhões de cidadãos foram às ruas para conquistar, finalmente, o voto direto e enterrar a ditadura, defendida pela emissora!

Há uma tentativa de “teorização vulgar”, quando jornalistas tucanos, como Eliane Cantânhede – que chegou a considerar um comício do PSDB como uma “manifestação de massa cheirosa” – esforçam-se por argumentar que algo inédito estaria ocorrendo nestas manifestações porque não registram presença de partidos, sindicatos, movimento estudantil ou social.

Segundo dizem, esta característica conferiria um novo conteúdo à manifestação, de modernidade, espontaneísmo, sem contaminação político-partidária, como a negar o papel da liberdade partidária e sindical, conquistada pelo povo após o funeral da ditadura. Há uma dose de farsa nisto tudo, primeiro porque alguém pagou pelas vassouras (que lembram Jânio Quadros) da manifestação, que também contou com convocação da juventude do PSDB.

As greves de várias categorias por melhor remuneração e condição de trabalho, a luta que continua pela reforma agrária, pelo direito a moradia, mostram claramente que partidos, sindicatos e movimentos sociais não estão cooptados. Ao contrário, estão arrancando conquistas legítimas. Esta é uma conclusão importante. Outra, é sobre a aliança que determinados segmentos da esquerda estão realizando com a TV Globo, terminando por reforçar, involuntariamente, o discurso conservador de que a corrupção foi inventada por Lula-Dilma. Isto sim deve ser motivo de preocupação, sobretudo após a assustadora aliança de setores da esquerda com a OTAN em sua agressão imperialista à Líbia.

Megaprojetos, qual o preço do desenvolvimento?


Segundo o professor Oswaldo Sevá doutor em Geografia e docente da Universidade Estadual de Campinas

” A finalidade dos Megaprojetos tem como objetivo acumulo de capital de quem já tem capital, isso de forma bem direta, claro que isso nunca será colocado, não dá pra dizer olha vamos construir o rodoanel aqui  uma hidroelétrica ali e vamos expulsar um monte de gente que estiver no caminho, claro que não! […] Por isso, o discurso é sempre que o desenvolvimento vai melhorar a vida de todo o mundo, o progresso, o emprego, o poder público vai arrecadar mais impostos […] A linguagem é sofisticada, porque um projeto tem sempre que representar um bem pra sociedade, jamais será dito a real problemática, é muito dinheiro sendo investido […] interesses financeiros, só isso… Ou seja, o discurso é uma forma que determinados grupos sociais com interesses particulares encontraram para se beneficiar, e o pulo do gato está nas demandas a serem resolvidas, “carências sociais” desde saúde, transporte  […] Então, simplesmente esses grupos alinham seus interesses com problemas sociais para se beneficiarem e construuir seus discursos de forma alinhada ao neodesenvolvimentismo, que irá os favorecer.”

Megaprojeto é um retrocesso, são projetos de dinastia para ampliar a dominação política que destroem direitos sociais de um determinado grupo social.

Ouça na integra no link abaixo, o professor falando sobre o assunto, :

http://www.4shared.com/audio/kIeb2pQW/A0261011.html

[Grécia] As primeiras ações de contra-violência contra a “Guarda Civil” do Regime


Os reflexos dos anarquistas, antiautoritários e libertários, bem como das pessoas rebeladas, foram muito rápidos, um dia após a tentativa do auto-intitulado Partido “Comunista” de reprimir violentamente a manifestação combativa de dezenas de milhares de lutadores em 20 de outubro, dando uma mão para o governo. Já começou a reação de contra-violência contra a violência fascista dos colaboradores do Regime.

Nos novos edifícios da Escola Politécnica Superior de Atenas foi distribuído um texto sobre a repressão da manifestação por membros organizados do chamado Partido “Comunista”. Slogans foram pichados e destruídos os pavilhões da Juventude deste partido. O texto distribuído termina da seguinte forma: “O caminho para a emancipação social passará sobre cada colaborador do Sistema, remunerado ou submisso por vontade própria”.

Na Universidade de Economia de Atenas, estudantes anarquistas e antiautoritários distribuíram um texto informativo sobre a repressão da manifestação pelos brucutus do Partido “Comunista” e enfrentaram os membros da Juventude deste partido. O texto distribuído é intitulado “O Estado está matando, o Partido está salvaguardando”.

Em Atenas, no bairro de Jalandri, um grupo de anarquistas jogou tinta no edifício do escritório local do Partido “Comunista” e escreveu slogans nas paredes exteriores do imóvel.

Em Tessalônica, houve três ataques incendiários em escritórios deste partido, nos bairros de Jariláu, Tumba e Triandria.

Na Cidade Universitária de Tessalônica foram destruídos cartazes e escritórios da Juventude do chamado Partido “Comunista”, ademais botaram pra correr membros desta Juventude para fora do campus.

Na cidade de Komotini, em Tracia, nordeste da Grécia, anarquistas entraram em confronto com membros do Partido “Comunista” que estavam distribuindo textos do Comitê Central do seu partido.

Na Faculdade de Física de Tessalônica, alguns membros do mesmo partido entraram em um anfiteatro juntamente com um professor e começaram uma declaração dizendo que o homem falecido na manifestação de ontem, 20 de outubro, tinha sido atacado por anarquistas, aos quais chamaram de fascistas. O comunicado do hospital onde foi transportado o homem que morreu os desmente, falando de inalação de gases.

Obviamente, estes trastes receberam uma boa dose de catequese partidária, já que de acordo com as táticas fixas deste partido quem não está de acordo com ele é batizado de fascista, reacionário, e assim por diante. Lembre-se que foi este mesmo partido que falou de 300 provocadores incitados pela CIA, quando milhares de pessoas ocuparam a Escola Politécnica de Atenas, em 1973, protestando contra a ditadura dos coronéis. Aquele movimento chegou a derrubar a Ditadura, dando o golpe de misericórdia. Muitos anos mais tarde os ausentes daquela rebelião tem a cara de pau de comemorar seu aniversário a cada 17 de novembro! Além disso, nas massivas ocupações das universidades, em 1978 e 1990-91, a Juventude do Partido “Comunista” as sabotou e minou, não hesitando em colaborar com as autoridades universitárias e policiais, participando ativamente na repressão. Em 1998, o movimento anarquista de Atenas tinha tomado a decisão de não participar na marcha pelo aniversário da rebelião da Politejnío (Escola Politécnica), em 1973. No entanto, várias centenas de jovens participaram. A “Guarda Civil” deste partido os rodeou e entregou a Polícia a 150 deles. Estes são alguns dos acontecimentos da suja e obscura história deste partido, em sua firme atitude como olho direito e muleta do Poder. Não esquecemos nada. Nada tem que ficar por isso mesmo sem receber a devida resposta.

• Em anexo uma imagem da década de 90, ainda muito atual, diz: “Policiais-membros do partido “comunista”: luta comum”.

agência de notícias anarquistas-ana

As cores da noite

recamadas de silêncio

preparam o dia.

Eolo Yberê Libera

Professores denunciam “lista negra” nos institutos federais em greve, assessor de Fernando Haddad nega


por Conceição Lemes

“Prezados amigos,

Tenho acompanhado de perto a greve dos professores do Instituto Federal de SP.

Faz mais de 2 meses que alguns setores estão paralisados, reivindicando melhores condições de trabalho.

O reitor, em atitude extremamente autoritária, aumentou consideravelmente o números de aulas, comprometendo a qualidade dos serviços.

É histórico que o Instituto preza por essa qualidade, e os professores da instituição também,  pelo menos os grevistas, penso eu.

Os professores sempre tentaram a negociação com a reitoria, porém sem sucesso, já que a postura deles é autoritária, como mencionei há pouco.

As negociações continuam, mas os autoritários agora são outros.

Seguem anexos dois documentos.

Foi extremamente frustrante ler o documento do MEC assinado pelo senhor Eliezer Moreira Pacheco.

Tal documento solicita uma “lista negra” com os nomes e dados dos grevistas e também providências quanto à suspensão do pagamento dos dias paralisados.

É com muita tristeza que concluo que este governo não se compromete mais com os trabalhadores.

O que é isso? Um secretário ligado ao PT ameaçando professores?

O que houve com essa gente? O que houve com o passado dessa gente?

Como os professores, me sinto humilhado, como se minha alma fosse alvejada por balas de borrachas da PM . . . Talvez em breve o Governo Federal ache legitimo a PM atirar borracha e bombas de efeito moral em trabalhadores, eu não ficaria surpreso.

Por favor, publiquem meu e-mail e os documentos anexos.

As pessoas precisam saber da situação desses professores e da resposta autoritária do governo.

Muito obrigado”

Um dos documentos anexados  é o ofício-circular nº 127 da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (MEC), assinado pelo secretário Eliezer Moreira Pacheco. Está abaixo:

A greve não atinge apenas os professores do Instituto Federal de São Paulo.  Tanto que o outro documento  anexado por Alexandre Felix é  o comunicado do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica, repudiando a circular do MEC.

A POSIÇÃO DO MINISTRO FERNANDO HADDAD

Eu conversei há pouco com o jornalista Nunzio Briguglio, assessor de imprensa de Fernando Haddad,  Ministro da Educação e provável candidato à prefeitura de São Paulo nas próximas eleições.

Viomundo — Estou aqui com a circular da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, que fala em corte de ponto dos professores em greve e pede para identificar explicitamente o nome e a matrícula dos aderentes. O MEC está criando uma “lista negra”, como disse o leitor que nos enviou a denúncia?

Nunzio Briguglio – Não tem “lista negra” nenhuma. O que aconteceu é o seguinte. O ministro está negociando, negociando, o pessoal está parado há dois meses, não dá mais para continuar assim. Então o ministro Fernando Haddad decidiu na segunda-feira cortar o ponto de quem não comparecer para dar aula. Mas é só cortar o ponto e não pagar os dias parados. Para fazer isso é preciso ter a lista dos nomes. Não tem nada a ver com “lista negra” de perseguição.

Viomundo — Quer dizer que o ministro  Fernando Haddad está ciente dessa circular assinada pelo secretário Eliezer Moreira Pacheco?

Nunzio Briguglio? – Claro, foi ordem dele.

Viomundo — E por que atingir o pessoal que ainda está em estágio probatório?

Nunzio Briguglio — Porque, embora não sejam efetivos,  estão fazendo greve também. Mas não tem nada a ver com “lista negra” para perseguir alguém. É apenas para cortar o ponto dos faltantes.

Roda de samba com “Nono Samba” e discotecagem com “Dj Caiaffo”


É isso aí,  galera… FESTA!!! 😀

Sábado, 1 de outubro · 16:00 – 21:00, vai rolar muito SAMBA DE RAÍZ com o grupo “Nono Samba”, formado tb por alunos da UNIFESP – Santos e discotecagem  com Dj Caiaffo, do “Futuráfrica Afrobraziliangrooves”.

Roda de samba com "Nono Samba"Organizada de forma autônoma, a festa objetiva contribuir com a construção do Seminário do Tribunal Popular da Terra, na Baixada Santista, onde será discutido as questões ambientais e indígenas, habitação, especulação imobiliaria e a reestruturação das cidades com a desculpa dos mega eventos e a exploração do Pré-sal.

Participe da festa e colabore com a construção do Seminário!

Sábado, 1 de outubro · 16:00 – 21:00
Local: CES – Centro dos Estudantes de Santos – Av. Ana Costa, 308 (ao lado do Extra)
Entrada: 5 reais + doação de alimento não perecível, roupa ou material escolar (para as tribos indígenas da Baixada Santista) com direito a uma cerveja ou refrigerante.

Evento no facebook:  http://www.facebook.com/event.php?eid=259080517464362

Até lá!!!