MST: assentamento desenvolve economia do município de Rio Bonito


Post de origem MST

Por Riquieli Capitani
Da Página do MST


As 1.500 famílias do MST, que vivem no assentamento Ireno Alves dos Santos e Marcos Freire, em Rio Bonito do Iguaçu, na região central do Paraná, realizaram uma grande festa, em comemoração dos 15 anos de lutas e conquistas dos assentados.
As comemorações aconteceram na comunidade Centro Novo, Assentamento Marcos Freire.

Uma mística fez um resgate da história, seguido de culto ecumênico, ato público e pronunciamento de autoridades. Em seguida foi servido almoço comunitário e, à tarde, teve atividades culturais e esportivas.

Aproximadamente 3.500 pessoas participaram da festa.

Conquistas

A implantação dos assentamentos na região transformou o cenário e desenvolveu a economia do município de Rio Bonito, gerando mais de 10 mil empregos diretos e indiretos.

Para garantir o direito dos trabalhadores à educação, nesses 15 anos os assentados conquistaram 10 escolas (seis estaduais e quatro municipais), que funcionam dentro dos assentamentos e atendem em torno de 2.500 educandos. Atualmente, a escola Iraci Salete Strozake, localizada no assentamento Marcos Freire é a Escola Base das 10 Escolas Itinerantes do estado.

Na área da produção, durante cada ano, os assentamentos produzem em média 500 mil sacas de milho, 50 mil sacas de soja, 50 mil sacas de feijão, 10 mil sacas de arroz, 24 mil litros de leite por dia, chegando a 880 mil litros por ano. Além de criar, em média, 20 mil animais entre: suínos, bovinos e aves, para comercialização e consumo próprio.

Histórico

Na madrugada de 17 de abril de 1996, mais de 3.000 famílias Sem Terra ocuparam o latifúndio da Fazenda Giacomet-Marodim, em Rio Bonito do Iguaçu. A desapropriação dos 26 mil hectares aconteceu em 1998, com o assentamento de 1.500 famílias

O grupo Giacomet foi violento na repressão aos trabalhadores. Em 1997, os Sem Terra Vanderlei das Neves e José Alves dos Santos foram assassinatos pelos pistoleiros da fazenda, em uma emboscada. Vários trabalhadores também morreram durante o desbravamento da fazenda e o plantio de pinus. Na fazenda foram encontrados vários cemitérios clandestinos.

Atualmente, a região central do Paraná concentra o maior número de assentados, ao todo são 2.530 famílias, beneficiadas com a desapropriação de cerca de 50 mil hectares da fazenda Araupel. Nesse região, se encontram hoje os assentamentos Ireno Alves dos Santos, Marcos Freire e Celso Furtado.

Toque da arte: organização de mulheres que produzem artesanato à partir de material reciclável.


Toque da arte

Organização de mulheres que produzem artesanato à partir de material reciclável, que de forma criativa criaram uma nova relação de trabalho respeitando o meio ambiente, valorizando o trabalho, o talento individual e principalmente estimulando a auto-estima da mulher.

O grupo surgiu em 2007 na Igreja Bom Jesus dos Navegantes a intenção inicial era organizar mulheres da comunidade para que juntas criassem uma forma alternativa de geração de renda.

Hoje, o grupo conta com o apoio da Petrobras e desenvolve oficinas de artesanato no Bairro, sendo um espaço aberto tanto para homens como mulheres.

Ouça matéria na integra:

OBS: Caso o áudio der erro, (se carregar rapidamente é porque deu erro) feche a página e abra novamente, irá funcionar.

III Feira de Reciclagem e Sustentábilidade: produção e consumo consciente.


É isso aí galera que acompanha a Rádio da Juventude, como já informamos na publicação anterior, dois de nossos integrantes estiveram no Rio de Janeiro participando da Expo Brasil. E nesse intercâmbio de experiências, nossos repórteres juntamente com a JOC (Juventude Operária Católica) estiveram também no Município de Mesquista participando da III Feira de Reciclagem e Sustentabilidade. O evento ocorreu nos dias 1, 2 e 3 de Dezembro no Paço Municipal,  e teve como objetivo expor produções de organizações locais, assim como promover atividades culturais, oficinas e palestras sobre Ecosol (economia solidária) e sobre a importância de usar os recursos naturais sem comprometer as gerações futuras.

Confiram as entrevistas:  Continue lendo

ExpoBrasil: cultura, consciência e cidadania.


A 9ª ExpoBrasil Desenvolvimento Local, evento realizado entre os dias 1 (hoje), 2 e 3 de dezembro no Centro de Convenções Sul América, no Rio de Janeiro, está apresentando uma variedade de produções culturais, todas voltadas para a consciência e cidadania e com intuito de valorizar  e incentivar o desenvolvimento de comunidades locais onde estão inseridas. Organizações não governamentais e movimentos sociais do Brasil todo estão presentes apresentando seus trabalhos e projetos, há também discussões sobre EcoSol (economia solidária), Comunicação Comunitária Interativa, entre outras coisas.

Se vc estiver passando pelo Rio durante alguns destes dias, dê uma passada por lá. A entrada é gratuita e o endereço é  Av. Paulo de Frontin com Av. Pres. Vargas – Cidade Nova – RJ.

A JOC está representada neste evento através da participação de 11 jovens, vindos de diferentes cidades onde o movimento está presente. Entre estes, estão Ailton Martins e Guilherme Júnior, que cobrirão o evento para a Rádio da Juventude.

Jovens da JOC vêm de 05 cidades das regiões Nordeste e Sudeste.

Continue lendo

Economia Solidária – Uma outra economia já existe.


Postado originalmente em Programa economia solidária


A economia solidária é a forma de organização associativa de trabalho. Foi inventada por operários nos primórdios do capitalismo industrial, como resposta à pobreza e ao desemprego.

Os trabalhadores encontram na economia solidária uma forma de gerar renda de forma democrática e igual.
Este ano a classe trabalhadora foi recebida com milhares de demissões em massa por todo o mundo, os postos de trabalho são arrebatados por relações cada vez mais precarizadas e infomalizadas, e o mercado informal encontra-se saturado.

Assim ascende-se a discussão dos rumos que esse modelo de sociedade baseado no capital acarreta, a exclusão, a marginalidade, a competição, a destruição dos recursos naturais, a concentração de riquezas e a miséria.
Para fomentarmos esse debate dos rumos malévolos que a sociedade do capital trás a classe trabalhadora e a sociedade em geral, e apresentar a economia solidária, seja como forma de produzir, seja como germe de uma outra economia.

A rádio da Juventude levanta essa bandeira.
Outras informações sobre o assunto, acompanhe aqui no Blog