Domingão na Constituição!


Domingão na Constituição!

Domingão na Constituição!
23/10 – domingo – das 14 às 22 horas
Começa a construção de um novo espaço cultural alternativo e popular!!!

Casa da JOC – Rua da Constituição, 331 – Santos (próx. à Rua Sete de Setembro)
= Evento em prol do Intercâmbio Continental da JOC em SV – de 26 a 30 de setembro =

– Música boa
– Liberdade de expressão
– Luta social
– Vídeo-ataque
– Comes (opção vegana)
– Bebes
– Artesanato indígena
– Intervenção visual: Espaço Mira
– Banca Sebo Cultural
– Preços populares

Som com as bandas:
– The Janders (rock/brega)
– Chiapas Livre (rock)
– Em Chamas (rock)
– TxHxPx (rock)
– Tarja Preta (rap)
– Wattz 100 mil (rap)
– Fino Trato da Goiaba (mpb)
– Banda Lótus (mpb)
– Nóno Samba

Entrada Livre!
Pede-se a doação voluntária de um quilo de alimento não-perecível, para os indígenas da aldeia de Paranapuã

Realização:
Rádio da Juventude
JOC – Juventude Operária Católica

Apoio: D’Ozi Estúdios

Info: (13) 3029-7712
@radiojoc
face: Rádio da Juventude

Juventude e a precarização do trabalho.


A precarização do trabalho tem empurrado cada vez mais pessoas para a informalidade e também tem criado condições de trabalho de total submissão por parte de trabalhadores e trabalhadoras que precisam garantir o seu sustento.

Segundo dados da organização internacional do trabalho OIT de setembro de 2010.

A América latina abriga 2/3 da mão de obra humana que produz para o mundo todos os recursos necessários para a existência.

No entanto, encontra-se em condições extremamente precárias.

Sendo que a faixa etária desses trabalhadores e trabalhadoras é de 16 e 29 anos

O que significa isso?

Que o mercado de trabalho tem absorvido cada vez mais jovens como mão de obra, devido encontrar maior facilidade para flexibilizar os direitos trabalhistas dessa juventude.

Jonathan Willian de 19 anos Auxiliar Técnico de elevadores relata sua condições de trabalho

Amor e Revolução: um fiasco ou resgate da memória?


Com muita coragem…

Quem está acompanhando a nova novela do SBT que pretende fazer um resgate histórico dos anos de chumbo cujo nome Amor e Revolução, já pôde perceber nestes dois capítulos iniciais que esse folhetim é mais uma caricatura romântica e oportunista que não levará a lugar algum (e isso nada tem haver com pessimismo). Mas é que antes do lançamento dessa novela criou-se uma ilusória expectativa da importância dessa discussão na telinha de vidro (seja lá de que forma como esse assunto fosse tratado) inclusive muitos blogs e sites progressistas discutiram essa questão, ressaltando e apoiando. Oh! Doce ilusão! Parece que nem se lembram de Anos Rebeldes mini-série da Rede Globo.

Enfim, sabemos que a época é outra e está em curso o abaixo-assinado pela abertura dos arquivos da ditadura e, esperamos profundamente que esse folhetim contribua para abrir esses arquivos, mas não sejamos tolos em acreditar que é por meio dessa novelinha do magnata Silvio Santos que reconstruiremos nossa história e colocaremos na cadeia os generais de pijamas, que estão gozando de aposentadorias gordas à custa dos trabalhadores desse país.

A história se constrói dia a dia na luta, no embate com o inimigo, ocupando e revolucionando todos os espaços, de forma alguma o inimigo fará por nós, até porque, será que nessa novela o senhor Silvio deixará ser abordado que os meios de comunicação no Brasil apoiaram o golpe militar? E o unico meio de comunicação que combateu foi a TV Excelsior? Que caiu por terra com os ataques militares, golpes financeiros, desvios de equipamentos para a TV Gazeta e por fim corte de concessão onde os militares repassaram ao SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) num sistema de concorrência pública fajuta.

Olha só que coisa, só um pouquinho de história para confrontarmos as contradições existentes. E aí? Dá para levar a sério essa estória pra boi ir dormir? Claro que não! No entanto, temos que aturar esses entendidos caricaturando e lucrando com a história. NOSSA HISTÓRIA!!!

Manifestação estudantil: Colégio Margarida Pinho Rodrigues/Vila Margarida / Contra a onda de assaltos!


Aconteceu ontem, dia 23/03, às 19 horas, uma manifestação estudantil em frente ao Colégio Margarida Pinho Rodrigues, na Vila Margarida, em São Vicente. O movimento foi realizado em protesto aos seguidos assaltos que vem ocorrendo no colégio, nos quais assaltantes tem freqüentemente invadido e furtado objetos de valores pertencentes aos professores.

Há cerca de dois anos o colégio vem sofrendo estes ataques, sendo que os últimos têm ocorrido em plena luz do dia e durante o intervalo. Muitos alunos, inclusive, já foram assaltados na porta da escola.

Indignados com tal situação um grupo de estudantes do colégio resolveu se organizar e entrou em contato com o CES (Centro de estudantes de Santos) e com a Rádio da Juventude para dar  apoio e orientação no manifesto, já que estes vêm articulando manifestações contra o aumento dos coletivos na região.

A manifestação não foi permitida pela direção do colégio. No entanto, o grupo de estudantes conseguiu incitar os outros estudantes que chegavam para assistir aula a participar e reivindicar uma posição da direção em relação as medidas que serão tomadas ao ocorrido.

Segundo os alunos, todas as outras vezes que assaltaram a escola, no outro dia na frente da escola, lá estava uma viatura de polícia, um mês depois, ao voltar a tranqüilidade, a viatura não vem mais e  aí obviamente os assaltos retornam, ou seja, não se resolveu nada de fato.” Não dá mais, precisamos fazer alguma coisa!” Reclama em alto e bom som um aluno.

De acordo com Mano Zé Elias, Radialista da Rádio da Juventude e um dos fundadores do primeiro grêmio estudantil que um dia existiu no colégio, “É preciso que a direção se abra para o diálogo, envolver toda a comunidade, líderes do bairro e juntos pensarmos uma solução para resolver esse problema. Acabar com o grêmio e adotar uma compostura de cima para baixo é o que contribui para isso acontecer, pois essa política de afastamento é terrível! Deveria ser de aproximação.”

Os alunos disseram que levaram essas reivindicações à direção, mas de nada adiantou, pois, infelizmente, é a terceira direção em menos de um ano.

O colégio vive uma realidade caótica e, ao que parece, tem uma direção que não se abre ao dialogo, assumindo uma posição bastante retrógrada. Um dos professores, a princípio mais adepto a conversa, acabou  passando mal na hora, devido a pressão psicológica. Ele teve que ser socorrido, isso sem antes protestar: “todos estão de prova do que está ocorrendo, é culpa do Estado, ainda vou morrer por isso e por culpa do Estado”

Representantes do CES e da Rádio da Juventude conversaram com os alunos que organizaram o ato e se propuseram a contribuir no que for preciso. Tentaram também conversar com a Direção, mas foram barrados com a seguinte frase: ” De acordo com a lei, num caso como este, temos o direito de permanecer em silêncio”. E mesmo com negociação de que a ideia era apenas um bate papo pra construir uma solução junto, nada feito. Usaram da lei e se calaram, a impressão que fica é: ” quem cala consente e está devendo!”

Fora isso, ocorreu tudo certo. A polícia foi chamada e cumpriu seu protocolo, quase que invisível. A mídia gorda  compareceu, mas foi embora rapidamente.

O que ficou apontado pelo grupo que organizou foi fortalecer essa discussão e levar em frente com novos protestos para que essa realidade mude.

“Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.” Che Guevara

QUEM NÃO GRITA QUER TARIFA! 4º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista


Jornada de lutas contra o aumento do busão!!!

Você está satisfeito em pagar uma passagem de ônibus mais cara que a maioria das capitais do País? Com um serviço de transporte público que só é bom para quem lucra com isso?

Vamos dar nosso grito de indignação:

Estão convidados todos os movimentos, estudantes e cidadãos em geral, revoltados com mais um aumento absurdo, tanto nas tarifas intermunicipais como nas municipais. ESTADO E PREFEITURAS, são todos culpados!

Próximas atividades:

17/03 (quinta-feira) ás 06h30 – Panfletagem com café no Terminal de Santos/SP

18/03 (sexta-feira) – Panfletagem nas Universidades de Santos e na UnBR em São Vicente/SP

19/03 (Sábado) ás 10h30 – Ato contra aumento da tarifa em São Vicente
Praça: Barão do Rio Branco – Centro – São Vicente/SP

20/03 (Domingo) ás 15h – Vídeo-debate no CES
Vídeo: A revolta do Buzu
CES: Av. Ana Costa, 308 Santos/SP (Ao lado do Extra)

Apoio: Rádio da JuventudeJOC BrasilJuventude e LutaCES, Ideia QuenteOpcional TV,Diga a Verdade e Saia CorrendoPassa Palavrae demais compas de luta!


Comunicação independente viabiliza protestos contra aumentos na Baixada Santista


Por

Márcio Garoni, no CMI Brasil

A Região Metropolitana da Baixada Santista, assim como São Paulo e outras cidades do País, teve reajustados os valores das tarifas do transporte público. Mesmo com o enfraquecimento da cultura de protesto na região, está sendo iniciada mobilização para barrar os aumentos, puxado pela mídia independente

Na onda dos aumentos no transporte público de todo o País, a Região Metropolitana da Baixada Santista, composta por nove cidades do litoral de São Paulo, também teve as tarifas reajustadas.

O primeiro aumento foi na primeira semana de fevereiro: 7% de reajuste, em média, nas linhas intermunicipais, pelo Governo do Estado. Hoje, por exemplo, a passagem de ônibus entre Santos e São Vicente, cidades que dividem a mesma ilha (57 km²), custa no mínimo R$ 3,10. Em efeito cascata, os municípios logo trataram de reajustar também as tarifas em suas localidades, pressionadas pelas todo-poderosas viações rodoviárias. Em Santos, paga-se o absurdo valor de R$ 2,65, em uma cidade pequena e plana. Valor mais alto que a maioria das capitais brasileiras.

Outro problema é a falta da figura do cobrador, em quase todas as cidades, um claro desrespeito às leis trabalhistas (já que o motorista exerce duas funções) e aos usuários do transporte.

A perda de uma cultura de protesto na região e o clima de comodismo de muitos fez com que não houvesse protestos coletivos imediatos aos reajustes. Porém, a união entre movimento social e comunicação livre possibilitou uma “faísca” inicial, que já lançou suas primeiras chamas.

A Rádio da Juventude, de São Vicente, iniciativa do movimento social internacional Juventude Operária Católica (JOC), fez um chamado para o último dia 25 de fevereiro, a uma semana do Carnaval. No Centro da cidade seria feito um protesto contra os aumentos abusivos na região. O 1º Ato Contra o Aumento do Busão na Baixada Santista teve a participação de cerca de 50 pessoas, muitas delas informadas por ferramentas virtuais como blog, twitter e facebook. Com um microfone e caixa de som, todos puderam se manifestar contra o alto custo e a baixa qualidade do transporte público.

A comunicação independente e os movimentos acabaram por começar um maior contato entre si. Vestiram a camisa do protesto os sites Juventude e Luta, Ideia Quente e Opcional TV, além do Centro dos Estudantes de Santos. Jovens e adultos, estudantes ou não, sem ligação com movimentos também aderiram ao protesto, bem como companheiros de ideologia anarquista, e outros ligados ao movimento sindical. Outros movimentos, apesar de convidados, não compareceram ou manifestaram apoio, revelando o famoso “rabo preso” com forças políticas e econômicas da região.

No último sábado, dia 05 de março, foi realizado o 2º Ato, desta vez com direito a passeata que fechou as vias do centro de São Vicente, mesmo com o baixo número de manifestantes. O protesto chamou atenção da secretaria de trânsito local e da PM que, justiça seja feita, agiu com tranquilidade.

O fato de o dia ter sido de Carnaval e chuvoso só aumentou o otimismo dos participantes para uma sequência de manifestações. O 3º Ato, neste sábado, será no bairro do Gonzaga, em Santos, o coração da Cidade. A cada semana as mídias independentes se articulam e, cada qual a seu modo, divulgam as próximas ações. Propositadamente não há uma política de entrar em contato com as grandes mídias convencionais, uma postura tanto de afronta como de termômetro do nível de mobilização das pessoas.

A Rádio da Juventude tem concentrado em seu blog ( https://radiodajuventude.wordpress.com) as principais informações sobre os atos, mas a intenção é que, com o tempo, as outras mídias independentes e movimentos sociais se apropriem das ferramentas e todos continuem
trabalhando conectados entre si. E contra o aumento do busão.

3° Ato contra o aumento do busão! Praça da Independência – Gonzaga – Santos


Documentário sobre as manifestações que estão ocorrendo na baixada Santista em relação ao aumento das passagens nos coletivos.

Quem não grita quer tarifa!

3º Ato: 10h30 – Praça da Independência – Gonzaga – Santos

Levem cartazes, apitos, protestos e indignação contra esses aumentos abusivos!

Apoio: JOC BrasilCES, Juventude e Luta, Ideia Quente, Opcional TV, Diga a Verdade e Saia Correndo, Passa Palavra e demais compas de luta!

Adicione a rádio no face e no twitter