Televisão. Máquina de fazer doido?


No mundo realmente invertido, o verdadeiro é um momento do falso.”
“… a realidade surge no espetáculo, e o espetáculo no real.
Esta alienação recíproca é a essência e o sustento da sociedade existente.” Guy Debord

Quem esteve na sintonia do programa Se liga na ideia deste último sábado dia 29/08. Pôde acompanhar a discussão sobre o tema “Televisão”. Continue lendo

“Democracia” O poder do povo?


Rádio da Juventude de volta com gás total!

E neste sábado dia 21/08 o programa Se liga na ideia em seu retorno colocou em pauta o tema “Democracia”. Aproveitando o gancho de ano de eleição o objetivo foi entender melhor o que é democracia.
Esteve no estúdio para contribuir sobre  o assunto, André Cardoso dono do site Derua e conselheiro de comunicação do Conselho da Juventude de São Vicente.

Um dos pontos importantes levantados é que a palavra democracia em seu sentido literal advém do grego e significa Poder para o povo. No entanto, este poder nem sempre tem sido utilizado pelo povo, na maioria das vezes o termo democracia tem sido associado com a palavra liberdade como pretexto de alguns governantes para invadir países que supostamente não sejam democráticos, chegando ao ponto de atropelar a soberania nacional de um país. Continue lendo

Pátria querida! Ame ou deixe! Hã???


No programa Se liga na ideia da semana passada dia 03/07 aproveitando o gancho ufanista de época de copa, o tema foi Patriotismo.
Como já é de praxe para contribuir na discussão estiveram no estúdio Francisco Marcio ex-militante da JOC (juventude operária católica) e Fabio Piovam analista de sistemas e J. Muniz escritor. O objetivo da discussão era saber: o que afinal é ser patriota? E se dá para conectar este sentimento de pátria que floresce em época de copa e discutir política? Pois, é ano também de eleição.
Os pontos levantados foram que é preciso desmitificar o próprio conceito do que é ser Patriota. Afinal, historicamente sempre se atribuiu a uma coisa de militares, pátria amada, ame ou deixe, ou seja, há resquícios da ditadura no que se entende por pátria.
Muniz por exemplo, viveu a época da ditadura e diz que o sentimento de lá para cá mudou, mas que há quinhentos anos o povo brasileiro ainda não conseguiu ter o comando de sua própria história e isso influencia no fazer política. Piovam concorda e diz que é preciso trabalhar essas questões históricas para criar uma cultura da discussão, de entender que é preciso ser patriota todo dia, isso no sentido de fomentar debates. Marcio acrescenta que as pessoas em geral acabam tendo uma visão muito distorcida do que é política e por falta de hábito, de entendimento e de péssimos exemplos de representantes políticos, não gostam de política. Eis a barreira de conectar em curto prazo, mas que pode ser trabalhado sim. É o desafio hoje.
Ao término do programa foi concluído que patriotismo apesar de ter origem militar. Ele na verdade é o entendimento que precisamos ter para fazer desta nação um Estado onde as pessoas se respeitem e lutem juntas pelo bem comum.
É um longo processo a ser trabalhado?
Sim!
Mas precisamos começar a ter na política, este mesmo sentimento de Pátria que temos em época de copa.
Eleição 2010 começou faz tempo!

Que fazer com esse sentimento de Pátria querida?


Na última segunda-feira a seleção brasileira desencantou. Enfim, o povo brasileiro pôde soltar o grito contido na garganta e comemorar com alegria uma vitória bonita e esperada com muitas dores e angustias.

Que tal manter este sentimento de pátria querida pra discutirmos “política”? Este é um ano de eleição, certo? Você é patriota?

Calma é só provocação! Afinal, alguém sabe o que é ser patriota? Isso lembra coisa de militar, não é verdade?

É o que o programa Se liga na ideia irá discutir este sábado dia 03/07 à partir das 18h. Blz!

OBS: Nos alimentamos de comentários!

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer


Esperar sentado? Ou correr atrás e fazer a diferença?

Neste último sábado dia 26/06 o programa se Liga na Ideia discutiu o tema Faça você mesmo! Artes e ideias! A discussão gerou em torno do questionamento: temos que ficar sentados esperando as coisas acontecer? Ou devemos correr atrás para que elas aconteçam?

Estiveram no estúdio Dimas Guaitoline, Diogo Vasquez e Diego Lo Pomo, diretores do documentário Eles Ainda Acreditam,  sobre bandas de hard core independentes que atuam na perspectiva do faça você mesmo. Guaitoline também é dono do site IdeiaQuente.com e Vasquez e Lo Pomo são integrantes da banda The Janders.

Galera que esteve em nosso estúdio no dia 26/06/2010

Os pontos levantados foram que a ideia do Faça você mesmo, muitas das vezes se confunde com a ideia de fazer as coisas , Guaitoline diz que: Falta o coletivismo! Não adianta correr atrás, fazer e acontecer dentro de um grupo fechado. O rock, o rap, o funk e outros gêneros precisam se unir mais… Vasquez concorda, mas faz uma ressalva sobre a importância da atitude individual, diz: ir até Brasília nem que seja sozinho pra protestar, é uma atitude válida sim! É um passo que começa a partir de cada um. Mas o que fortalece mesmo são o coletivismo e a junção dos movimentos. Lo Pomo acrescenta: Falta entendimento também nessa luta, os grupos não se unem por bobagens e as dificuldades são iguais para todos. Falta de espaço, de incentivo ou do que for… Só acontece porque ninguém se entende.

A discussão levantou diversos problemas vividos por quem é artista e pretende viver de arte.

Ao término foi concluído que o Faça você mesmo é ter a atitude de se levantar e lutar, criar seu espaço, não esperar sentado. Mas também é acima de tudo fazer junto, coletivamente! Assim se constroem as coisas, seja na arte ou em qualquer outro aspecto da vida.

Artes e Ideias – Sonoridade reciclada


Gracy e Jean (fotos: Guilherme Júnior)

Falar de reciclagem não é mais novidade faz tempo. Mas é incrível o que dá pra fazer à partir de materiais que normalmente vão para o lixo. Que tal um tambor feito com tubo de papelão ou cano de PVC? Esse é o trabalho dos artesãos Jean Carlos e Gracy Moreno.

O casal se conheceu há cerca de dois anos, em um acampanhento na Ilha Grande, em Angra dos Reis (RJ). Jean se dedica a esta arte há 11 anos e repassou sua técnica à atriz Gracy Moreno, que lhe acompanha desde então.

Mais do que uma forma de se sustentar, Jean e Gracy sabem da importância de seu trabalho para conscientizar a população que é possível extrair arte do lixo:

Alguns dos instrumentos produzidos pelo casal

Totalmente receptivo, o casal incentiva as pessoas que passam pelas ruas de Santa Tereza, no RJ, a tocar os intrumentos. Mesmo quem não sabe tocar se arrisca a tirar um som e simpatiza com a idéia.

Quem quiser outras informações sobre esta verdadeira arte reciclada, vale mandar um e-mail para gracymoreno@yahoo.com.br.

Se liga na ideia! Faça e aconteça!


O programa se liga na ideia desta semana dia 26/06 que vai ao ar todos os sábados sempre das 18h00min as 20h00min, discutirá o tema Faça você mesmo Arte e Atitude. No último programa quando discutimos Cultura na Cidade de São Vicente, o tema abriu um leque de discussões, um dos principais pontos foi: se temos que ficar esperando as coisas acontecerem? Ou temos que correr atrás? Ou seja,  fazer e acontecer!

O que acham? O que pensam?

Nesta edição estaremos recebendo no estúdio os Diretores de um Documentário sobre bandas de hard core independente. Cuja temática do Faça você mesmo eles também abordaram no Doc. que dirigiram.

Se morar nas proximidades, sintonize! Ligue pra gente! Dê sua opinão!

Para aqueles onde infelizmente ainda não atendemos sua localidade. Confira o resumo aqui no Blog. Mas postem suas opiniões, BLZ!

Se liga na ideia!

Estatuto da Igualdade Racial sim! Cotas não?


O movimento negro classificou a aprovação do Estatuto da Igualdade Racial como a maior derrota dos últimos 60 anos. O texto final eliminou reivindicações históricas. Entre elas, as cotas nas universidades, serviço público e partidos políticos. A demarcação das terras quilombolas, combatida pelos ruralistas, também foi rejeitada. (Brasil de fato)

No dia 15 de maio o programa Se liga na idéia discutiu o tema: Treze de maio. Um dia de comemoração? Ou não? Para falar sobre o tema esteve no estúdio José Elias conhecido também com o mano Zé Elias fundador e coordenador do Núcleo Educafro Vila Margarida.

Os pontos principais levantados são referentes à história ensinada nas escolas que por vezes é deturpada e romântica, colocando a princesa Isabel numa posição de heroína, não levando em consideração a luta dos negros que sempre se organizaram e sempre lutaram por sua liberdade. E também, que não houve uma reparação histórica, pois à população negra no dia 13 de maio ganhou a liberdade, mas no dia 14 não ganhou as mínimas condições de sobrevivência.

Para Elias muito ainda precisa ser feito e as correntes que prendem o negro ainda existem, é só fazer um levantamento da atual situação da população negra no Brasil.

José Elias, fundador e coordenador do Núcleo Educafro Vila Margarida.

Hoje a grande discussão é a questão das cotas (ação afirmativa de reparação histórica) reservadas para negros em Universidades, que parte da sociedade ainda não concorda, por falta de informação ou de preconceito. Outra coisa é a criação do Estatuto da Igualdade racial, que por mais que seja uma medida assistencial, o problema está relacionado à Constituição que não funciona na prática, aí infelizmente a luta é para criar uma lei para assegurar o que a Constituição não assegura.

OBS: Quando está discussão foi ao ar, Elias disse que esperava com grandes expectativas a aprovação do Estatuto.

Infelizmente, mas uma vez como diz: Reginaldo Bispo, integrante do Movimento Negro Unificado (MNU) foi colocada uma camisa de força para o movimento negro e para os avanços da luta do povo negro no Brasil.

Enfim, como a luta sempre continua para nós que estamos na batalha, aguardem! Porque essa discussão não acabou também para a Rádio da Juventude.

Tradição revelada


Revelando São Paulo traz à tona as tradições que nem todos os paulistas conhecem


Entre os dias 03 e 06 de junho, Iguape (litoral sul de SP) foi palco de uma grande festa da cultura tradicional paulista. A sétima edição do Revelando São Paulo pretende mostrar o Estado de São Paulo que nem todos os paulistas conhecem.

banda musical de Juquiá (fotos: Guilherme Júnior)

Nos quatro dias, passaram pelo evento bandas marciais e musicais, violeiros, artistas plásticos, culinaristas e diversos tipos de artesãos, que pretendiam envolver ao máximo os visitantes que passaram pelo Centro de Eventos Casemiro Teixeira, onde o encontro foi realizado.

Artefatos em madeira e bambu

O destaque ficou pela grande variedade de artesanatos, que valorizam a estética mas não deixam a funcionalidade de lado. Lá foi possível encontrar artefatos em argila, bambu, brinquedos, esculturas, bonecos gigantes, instrumentos musicais, tecelagens e mais uma grande variedade de trabalhos, que impressiona a cada estande que se visita. Vale ressaltar que muitos destes trabalhos utilizam o reaproveitamento de materiais e seus produtores fazem parte de grupos de Economia Solidária.

Durante a visita ao evento, o repórter Guilherme Júnior conversou com alguns dos artistas que estavam no festival. Eles falaram sobre a importãncia da valorização da cultura tradicional:

A festa acontece anualmente em Iguape, mas também é realizada em várias cidades do Estado, incluindo a Capital. Portanto, se quiser obter outras informações de como conhecer essa riqueza popular, acesse o site da Abaçai Cultura e Arte, entidade que promove o festival.

Confira outras imagens do evento (clique para ampliar):

Cultura para quem?


Programa de 05/06/2010

As políticas culturais, em São Vicente, ainda vêm sendo tratadas de forma artesanal. É isso que foi sendo delimitado pelo debate sobre cultura na Cidade, veiculado no programa Se Liga Na Ideia, no última dia 05 de junho. Desta vez os convidados foram o diretor da produtora Mundo Cultural, Maurício Oliveira, o membro do Conselho Municipal de Juventude de São Vicente e dono do site DeRua, André Cardoso e o jornalista Eduardo Brandão.

Encenação, em 2008 (foto: Jornal Vicentino)

Um dos principais pontos em questão é o que é necessário se ter para produzir cultura. Cardoso defendeu que o governo municipal pouco investe em cultura para além da Encenação de Fundação da Vila de São Vicente, que acontece no mês de janeiro. No entanto, Oliveira rebate dizendo que muitas organizações culturais são “choronas”, isto é, dependem muito de apoio governamental para se sustentar.

José Dionísio de Almeida (foto: Ronaldo Andrade/Jornal Mundo Lusíada)

Em relação ao que vem acontecendo em termos de política cultural, o repórter Ailton Martins conversou com o historiador e assessor da Secretaria Municipal de Cultura, José Dionísio de Almeida. Dividindo o tema em quatro partes, ele faz um apanhado do que o órgão vem desenvolvendo para ampliar o acesso à cultura:

FALTA DE EQUIPAMENTOS DE CULTURA
DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES CULTURAIS
POLÍTICA CULTURAL EM SÃO VICENTE
PROJETOS E PONTOS DE CULTURA

Por ser um tema amplo, não foi possível se chegar a conclusões absolutas. Mas ficou claro que é preciso avançar muito neste tema, principalmente na abertura de diferentes manifestações culturais e incentivo à produção cultural e artística, com formação de público que prestigie este material humano.